Noticias 2016

Manifestação, em novembro do ano passado, por busca de soluções para a situação do Antonio Pedro que não passem pela terceirização e privatização - foto: Luiz Fernando Nabuco
Sindicatos estão preocupados com a campanha explícita da Reitoria a favor da transferência da gestão do Hospital Antonio Pedro para essa empresa; Conselho do Huap se reúne dia 12 com Ebserh na pauta
DA REDAÇÃO DA ADUFF
Por Hélcio Lourenço Filho
A Aduff-SSind e o Sintuff estão solicitando reunião com a Reitoria da Universidade Federal Fluminense para tratar do Hospital Universitário Antônio Pedro (Huap) e da Ebserh (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares).
Os sindicatos dos docentes e dos técnico-administrativos estão preocupados com os encaminhamentos dados pelo reitor da UFF, Sidney Mello, e pelo diretor do Huap, Tarcísio Rivello, em relação à crise no hospital. Eles fazem campanha para adesão da universidade à Ebserh, que passaria a gerir a unidade. E, no entanto, evitam o debate com a comunidade acadêmica, os sindicatos e as entidades estudantis.
O diretor do Antônio Pedro acaba de convocar reunião do Conselho Deliberativo do Antonio Pedro para a próxima terça-feira, dia 12, às 10 horas, tendo como pauta única a Ebserh. A reunião será no auditório Aluísio de Paula, nas dependências do hospital.
Para as entidades sindicais, isso significaria uma perda para a autonomia universitária e a privatização da gestão do setor. A grave crise que atinge os hospitais estaduais, quase todos eles com gestões total ou parcialmente terceirizadas por meio de organizações sociais, é apontada como exemplo do que pode significar no futuro próximo essa suposta saída para os problemas do Huap.
O resultado da adesão de hospitais universitários de outros estados à Ebserh também é considerado inócuo para resolver a crise no atendimento e no funcionamento dessas unidades.

Ponto de encontro dos movimentos sociais será na Cinelândia a partir das 17h

Após aumento de R$0,40 centavos na tarifa de ônibus logo na primeira segunda-feira do ano, movimentos sociais convocam  manifestação contra o aumento da tarifa para esta sexta-feira (8), às 17h, na Cinelândia. Também está sendo convocado outro ato para a Central do Brasil.

Convocado para mesmo dia e hora que ato na capital paulista, o ato é fruto das articulações entre movimentos sociais do Rio e São Paulo, na tentativa de chamar atenção do país para a situação dos transportes públicos e preço abusivo das passagens - primeira pauta que fez estourar as gigantescas mobilizações de Junho de 2013 no país.

"Junho estourou pela questão da passagem e é uma pauta que vem mobilizando bastante em todo país", comentou Pedro Assis Rodrigues, estudante da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). "Com o aumento, a juventude é uma das principais afetadas, o passe livre estudantil é meia boca, só serve pro município do Rio e tem quantidade restrita; a juventude que quer lazer e cultura não consegue se locomover pela cidade, ainda mais com essas mudanças nos ônibus, extinguido os ônibus que iam da zona norte para a zona sul e colocando polícia pra revistar a juventude negra", disse Pedro, apontando a exclusão social, a negação do direito à cidade e o racismo institucional promovidos pela prefeitura e pelo governo do Estado do Rio de Janeiro.

Há também aumentos anunciados para as barcas, cuja tarifa passará de R$5 para R$5,60, e trens, que irá de R$3,30 para R$ 3,70, devendo entrar em vigor a partir do dia 2 de fevereiro; tarifa do metrô também deve aumentar em abril, mas valor do reajuste ainda não foi definido.
"Esse ato vai ser muito importante pois será o primeiro ato no Rio de janeiro em 2016. Como sempre o Eduardo Paes para garantir os lucros de quem financia sua campanha eleitoral aumenta a passagem dos ônibus e restringe ainda mais o direito a cidade. Pezão também não é diferente, promete aumentar [a tarifa das] barcas e trens enquanto dá calote nos servidores. É hora de colocar a juventude e os trabalhadores na rua para mostrar pro governo que não vamos aceitar aumento dos preços das passagens e também vamos mostrar nossa força pra lutar pelo pagamento do salários que o Pezão vem dando calote. 2016 promete ser um ano de muita luta e a nossa resposta tem que começar desde já", falou Pedro.

Em Duque de Caxias, na baixada fluminense, ato contra o aumento da passagem dos ônibus intermunicipais deverá acontecer na próxima quinta-feira (14). Tarifa passará de R$4,70 para R$4,95. Capitais como Belo Horizonte (MG) e Maceió (AL) também terão manifestações nos próximos dias, nesta sexta e na próxima quarta (13) respectivamente.

DA REDAÇÃO DA ADUFF

Por Niara Aureliano

Na tarde desta quinta-feira (07), o comitê gestor da Universidade Federal Fluminense (UFF), nomeado pelo reitor Sidney Mello, realizará visita ao campus de Rio das Ostras. A direção da Aduff-SSind estará presente na reunião, que acontece às 14h.

A Aduff-SSind informa que nos meses de janeiro e fevereiro o atendimento aos associados na secretaria da entidade estará fechado para almoço das 13 às 14 horas. A excepcionalidade é decorrente de férias de funcionários do sindicato. A secretaria atende de segunda a sexta, das 9 horas às 17 horas, agora provisoriamente com o intervalo do almoço.

Página 28 de 28